Fiz uma viagem para um lugar bastante longínquo e, dentre muitas coisas que fiquei observando nesse tempo, vou começar por escrever um post sobre inovação. Não posso dizer exatamente o que é ser japonês – sim, minha viagem foi para lá – mas, fiz algumas reflexões baseadas no meu olhar brasileiro.

Fiquei com muita vontade de falar sobre como a inovação está nos detalhes. Uma inovação que faz diferença nas nossas vidas, não precisa ser algo que exija que resolvamos os problemas mais complexos que pudermos de cara (apesar que estes são pontos muito válidos também). O que quero dizer, é que existem tantas coisas que podemos pensar “e se eu pudesse fazer algo diferente?”.

Fiquei encantada com variadas soluções para questões corriqueiras, coisas que visam facilitar o dia a dia das pessoas. Vou dar exemplos de algumas dessas inovações tecnológicas que me fizeram pensar quantas soluções podem existir por aí e como existem formas diferentes de pensar e criar.

Réplicas de comida

Na imagem em destaque nesse post, temos a apresentação de réplicas de comida, costume que não é novo por lá. Alguns restaurantes disponibilizam esse tipo de visualização (enquanto muitos outros lugares dispõem de fotos em seus cardápios) para que um cliente possa ver rapidamente os tipos de prato da casa. As quantidades e aparência dos modelos são as mesmas que serão oferecidas na mesa. Para quem tem dificuldades com a língua é uma ajuda e tanto!

As famosas privadas japonesas

Estava muito curiosa para saber como eram as tais privadas japonesas, cheias dos botõezinhos! O nível de tecnologia delas varia bastante: das mais tradicionais que ficam rentes no chão (coisa mais rara de se encontrar), até as com mais recursos tecnológicos. Exemplos de usos: existem diferentes níveis de descarga, até três eu encontrei (grande, pequena e ecológica), tem alguns que possuem “sugador” de cheiro, barulhinhos para dar mais privacidade em ambientes públicos e, inclusive, autolimpeza.

Chá quente… chá frio

Talvez isso seja algo comum, mas achei tão bom poder escolher entre um mesmo chá, sendo ele vendido em lojas de conveniência frio ou quente, pronto para pegar e sair andando. É um detalhe, mas faz toda diferença, especialmente, em um dia frio e chuvoso.

Embalagens com rótulos fáceis de tirar

Continuando a saga do chá vendido em garrafa, eu pude ver que esse tipo de embalagem tem lugar para destacar e puxar o rótulo facilmente. Nessa da foto, pode-se ver que nem cola havia. Pude notar essa facilidade nesse e em outros produtos. Tudo isso ajuda no processo de reciclagem! Realmente, muito legal pensar em todo o processo como sistema.

Outra coisa que me chamou a atenção é que essa marca da foto pertence à Coca-Cola. Se essa empresa é capaz de produzir embalagens assim lá, porque as daqui não são da mesma forma?

(obs. já observei garrafa de suco aqui no Brasil que tem esse conceito, mas não tinha visto ainda de forma tão disseminada).

Para o dia a dia: de plástico a repelentes

Vi um filme plástico para embalar comida que não precisa sofrer para achar a ponta e cortar. Amei não sofrer!

Quando assunto é repelente de mosquitos, uma simples ida à farmácia mostrou uma variedade de soluções: em spray, em lencinho para passar na pele, em forma de pulseira e até mesmo como um objeto retangular para colocar na porta de casa ou em uma varanda. Sim, isso mesmo, usa com a porta aberta!

Porta do táxi

A porta para entrar em um táxi é automatizada (aprendi isso tomando bronca por ter tentado fechar uma porta várias vezes). Abrem e fecham de acordo com um botão que fica com o motorista. Isso talvez diminua aquele problema de bater muito forte ou muitas vezes para fechar bem a porta do carro.

Enfim…

Essas pequenas observações me fizeram pensar em como podemos enxergar coisas a serem resolvidas e como podem ser resolvidas. Uma mesma questão, aqui e lá, pode ter uma gama variada de soluções.

Então, o que é problema para você? O que é oportunidade? Como o nosso contexto interfere no modo como buscamos solucionar as coisas?

Um olhar criativo pode mudar tudo… novos conceitos e possibilidades de arranjo também. De passinho em passinho, podemos ver o quanto podemos inovar e criar todos os dias.

2 Replies to “A inovação está nos detalhes”
Deixe uma resposta