Dá pra saber quando os desejos estão desconectados num grupo de trabalho e quais são os sinais? Esse é o tema deste artigo e vou propor algumas ações que podemos fazer para evitar o problema.

Foto de capa: Pixabay

[Des]Sintonia

No texto anterior falamos sobre os benefícios de convergir Desejos Colaborativos. Hoje o tema é sobre os sinais de que algo pode não estar bem. Vamos lá! O planejamento foi feito, mas está difícil dar o próximo passo? Ou ainda: Está difícil tirar as idéias da fase de criação e planejamento e prosseguir na implementação de um projeto, produto ou serviço? Então pode ser que os desejos estejam desalinhados e isso está atrapalhando o desenvolvimento e colaboração entre as pessoas. Mas, calma! Se estamos atentos aos sinais, pode ser uma boa oportunidade de trazer à tona os conflitos, dialogar para resolvê-los e seguir adiante.

Um projeto colaborativo tem como princípio a abertura para participação e contribuição tanto das pessoas envolvidas no desenvolvimento quanto daquelas que utilizarão o produto ou serviço final. Caso alguma parte envolvida não puder ser ouvida ou o processo não é transparente à ponto de que as pessoas possam entender os motivos e o contexto para as tomadas de decisões, podem acontecer duas coisas:

  1. Embate de opiniões e divisão do grupo [Se torna menos colaborativo e mais competitivo]
  2. Resistência às mudanças e inovações.

Hora de parar!

Ambas as situações acima são péssimas para o sucesso de uma iniciativa colaborativa. Além de gerar desgaste no relacionamento entre as pessoas e criar um ambiente de trabalho muito ruim, ainda eleva muito os custos e o tempo de desenvolvimento do que se deseja realizar. É hora de parar e repensar: O que está acontecendo?

Criar oportunidades de diálogos ativos como meios para resolver conflitos

Dificilmente um projeto com essas características vai ter sucesso. Se conseguir ser implementado, pode ter muito pouco engajamento o que não é nada bom para a realidade de negócios atual.

Mas o que podemos fazer para identificar e saber lidar com o problema?

  1. Fique atenta(o) ao nível de participação e engajamento das pessoas envolvidas. Pouco interesse pode ser um problema não revelado.
  2. Faça uma autocrítica sobre o grau de abertura para participação e contribuições.
  3. Faça uma autocrítica sobre o quanto a participação e a contribuição das pessoas são realmente implementadas ou são meras formalidades.
  4. Tente ser o mais transparente possível e que todos tenham acesso às informações principais ao mesmo tempo.
  5. Organize reuniões ou encontros que permitam uma conversa aberta e franca sobre as dificuldades e problemas vivenciados. Da mesma forma, esteja aberto a escutar e abrir mão de certas posições em benefício do grupo.
  6. Pense em novas maneiras de estimular a participação! Culturalmente, muitas pessoas foram acostumadas a receber informação passivamente e não poder interagir.

Como o relacionamento entre as pessoas e a gestão de um negócio/projeto possui uma natureza complexa, nem sempre é possível atender a todos os pontos de vista. É recomendável buscar objetivos em comum, saber priorizar e planejar ciclos. Métodos simples como escrever as ideias em post-its e realizar uma votação com etiquetas adesivas podem ajudar nestas escolhas.

Renovação

Foram feitas algumas tentativas de colaborar em torno de um propósito/desejo, mas os resultados não estão satisfatórios para o grupo e o processo está muito “arrastado”. E agora!? Em alguns casos é preciso aceitar que as coisas podem não funcionar e então tentar novos formatos e dinâmicas diferentes [Fazer as mesmas coisas provavelmente não permitirá obter resultados diferentes]. Se funcionar, comemore a energia renovada até o próximo conflito – Porque ele virá 🙂 – e registre esse conhecimento!

Espero que seja útil pra você. Comente como costuma trabalhar essa questão e compartilhe com amigas(os) pra ajudar a criar ambientes de trabalho mais criativos e colaborativos. Assine nossa newsletter para receber os novos conteúdos. Grande abraço!

Deixe uma resposta